Editorial Sogisc: Orientação as Gestantes e puérperas na pandemia do Covid-19

A disseminação da COVID 19 alcança níveis alarmantes no Brasil, levando a uma necessidade crescente de leitos de UTI na rede pública e privada. Os serviços de pronto atendimento seguem sobrecarregados e há falta de vagas de internação para tratamento de pacientes com maior gravidade.  

 

As medidas eficazes de prevenção, como proteção com uso de máscaras, higiene pessoal e distanciamento social, evitam a disseminação do vírus.

A assistência médica precoce aos pacientes deve ser estimulada, bem como o acesso aos exames complementares necessários na investigação clínica. Pacientes estáveis e que podem ser monitorados à distância devem ser estimulados ao uso da telemedicina, no intuito de reduzir o número de atendimentos em serviços de emergência. 

A autonomia do médico na prescrição é ato primário, inerente ao pleno exercício da sua profissão. O uso de medicamentos na abordagem precoce, se médico e paciente concordarem com os potenciais riscos e benefícios, pode ser considerado, com obediência aos preceitos e aos regulamentos do Conselho Federal de Medicina. 

A vacinação é medida importante de prevenção da disseminação do vírus e deve ser estimulada na população em geral, seguindo o Plano Nacional de Vacinação da COVID 19. Em grupos específicos, gestantes, puérperas e lactantes devem ser individualmente orientadas pelo seu médico assistente, que deverá expor os riscos potenciais e benefícios, para que juntos possam tomar uma decisão esclarecida.

A adequada estrutura hospitalar e a dedicação incondicional das equipes de saúde constituem os pilares necessários ao melhor atendimento do paciente cometido pela COVID 19.

As recomendações sobre prevenção, vacinação e tratamento da COVID 19 serão atualizadas conforme o melhor entendimento da doença e em conformidade com o conhecimento científico.

 

Diretoria da SOGISC